Cidades

Curso de Educação Física Pesquisa a Inclusão Esportiva de Deficientes

O alto número reflete a falta de preparação no Ensino Brasileiro. A mesma é uma mudança de perspectiva educacional que não atinge apenas os alunos com deficiência e os que apresentam dificuldade de aprendizado, mas sim, a todos os demais alunos e educadores, possibilitando que o sucesso seja obtido na corrente educativa geral. Diante disso, o curso de Educação Física Licenciatura da UNIFIPA – Centro Universitário Padre Albino desenvolveu a pesquisa ‘Avaliação das iniciativas de inclusão esportiva de deficientes nas escolas de Catanduva’, que avaliou como a inclusão de crianças deficientes ocorre na cidade e apresenta suas dificuldades.
Após levantamento do número de alunos deficientes regularmente matriculados nas escolas de Catanduva, o Prof. Me. Cássio Gustavo Santana Gonçalves, responsável pela pesquisa, e os alunos Maria Luiza Milan Souza, Aline Acioly de Aguiar, Jeniffer Karla Prates e Lucas Matheus Pupio aplicaram questionário com 11 questões, sendo sete de múltipla escolha, e quatro dissertações abertas a estudantes de escolas municipais de Catanduva.
“De acordo com as respostas das questões dissertativas, os entrevistados relataram que em relação ao método para atingir o objetivo da inclusão é necessário ter nas escolas atendimento multiprofissional, com a capacitação dos professores, além de materiais especializados, adaptações necessárias e a participação da família. No entanto, essas bases são falhas, o que impossibilita efetivamente o êxito da inclusão nas escolas”, relatam os pesquisadores.
Ainda de acordo com os resultados obtidos pela pesquisa, entre os entrevistados, 87,5% dos professores se classificaram como não preparados para atuar com alunos deficientes, apontando para a não capacitação dos docentes pelos órgãos gestores do ensino, ressaltando, dessa forma, a importância de ações preparatórias. “A inclusão escolar não se faz com simples recomendações técnicas, mas com reflexões dos professores, direção, pais, alunos e comunidade”, conclui a pesquisa.
A pesquisa do tipo descritiva foi desenvolvida e executada durante sete meses e resultou em um artigo científico apresentado no CIC – Congresso de Iniciação Científica da UNIFIPA. Após ela, as alunas Aline Costa, Ana Letícia de Paula, Daiane Almeida e Luís Henrique Libório deram continuidade à pesquisa, no entanto, avaliando apenas docentes do curso de Educação Física.

Inclusão Escolar
Durante o ano de 2015, foi promulgada a Lei Brasileira de Inclusão, conhecida como Estatuto da Pessoa com Deficiência, que trata de diversos aspectos relacionados à inclusão das pessoas com deficiência. No capítulo IV, a lei aborda o acesso à educação e garante que o sistema educacional deve ser inclusivo em todos os níveis.

Da Reportagem Local

CAMPANHA ICESP

/* ]]> */