Cidades

Catanduvenses Escrevem Sobre História e Arte da ‘Cidade Feitiço’

Lançamento será aberto ao público, na Biblioteca Municipal (Divulgação)

Em alusão aos 100 anos de Catanduva, um grupo de pessoas escreveu sobre a história e arte da ‘Cidade Feitiço’. A obra “Catanduva: 100 anos de História e Arte” será lançada no dia 9 do próximo mês, na Biblioteca Municipal com sessão de autógrafos. Os autores são sete: Heraldo Márcio Galvão Júnior, Regina Paula Biassi Galvão, Paulo Leonardo Brunetti, Felipe Boso Brida, Jéssica Teixeira Careon, Roberto Mazinini, Iara Mazinini Rosa.
Em entrevista ao Jornal O Regional, o organizador do título, Heraldo Márcio Galvão Júnior, contou como surgiu a ideia para escrita. “Desde os saudosos tempos de graduação, quando cursei História na Universidade Estadual Paulista (Unesp), campus de Assis, tenho refletido sobre a importância da história local ou regional para uma melhor compreensão da realidade nacional que, por vezes, foi e é construída a partir de um exemplo maior, isto é, a história foi sendo moldada a partir das experiência das capitais, como se a soma dos grandes centros urbanos criassem um todo homogêneo que servisse para explicar historicamente a realidade de um ribeirinho paraense, um sertanejo nordestino, um industrial paulistano ou um catanduvense qualquer. Neste processo, a realidade social, política e cultural local, por ser desconsiderada, acabou excluindo diversos setores sociais da história. O que trazemos à tona, com este livro, é justamente o contrário. Ao tratar da história e das artes da cidade de Catanduva desde sua fundação procuramos resgatar uma realidade social que foi nos moldando culturalmente, além de apresentar os atores sociais que ajudaram a construir e/ou modificar as formas de fazer e de pensar dos cidadãos. Não existe obra, além desta, que trate deste tema tão importante para a cidade”, disse.
Com histórias sobre literatura, teatro, música, artes plásticas, arquitetura e cinema, o livro é dividido em quatro capítulos: “A embriaguez de Atena e Dioniso: folhas, papéis, rimas, palco…”, “Os cinemas catanduvenses de hoje e de outrora”, “Entre bailes e serenatas: uma pequena história social da música catanduvense”, “De Calixto a Jeronimo; do eclético ao moderno: artes plásticas e arquitetura em Catanduva”.
A obra foi um dos projetos contemplados pelo Edital de Incentivo às Artes, um mecanismo de política pública que proporciona recursos financeiros a pessoas físicas e jurídicas para realização de projetos culturais na cidade.
“A publicação deste livro só foi possível devido ao companheirismo e capacidade dos autores dos capítulos e a um prêmio recebido da prefeitura de Catanduva que, por meio do Fundo Municipal de Cultura e da Secretaria de Cultura, representada pela secretária de cultura Cristiane Anovazzi, promoveram o Edital de Incentivo às Artes nº 01/2017”, ressalta Galvão.
O escritor e organizador ainda falou sobre a satisfação de escrever sobre a cidade em que reside. “Escrever sobre a cidade na qual nasci e fui criado gerou um intenso prazer e satisfação, ainda mais quando se cresce em uma família como a minha. Meu avô, Arthur Mazinini, foi seresteiro, fez parte de algumas bandas/conjuntos e era artista de teatro amador. Minha avó Odete cozinha com arte. Meu pai, Heraldo M. Galvão, grande apreciador de música brasileira (em especial Raul Seixas) e minha mãe, Eliana Mazinini, com seu violão a cantarolar, também fizeram parte de grupos de teatro. Minha avó Dalva Laurenti, desde a minha primeira lembrança, faz diversos trabalhos manuais e artesanais.
Quadros do meu primo Roberto Mazinini também estão presentes na minha memória afetiva da infância. Isto pra não citar tio, tias e prima que estiveram ligados ao canto e instrumentos musicais. Enfim, me sinto realizado ao, a partir da minha profissão, resgatar a história e a memória da cidade e, consequentemente, da minha família”, confessa.
Após a solenidade de lançamento, exemplares da obra serão doados aos colégios municipais e estaduais, ao Instituto Federal de Educação e às faculdades do município, como forma de ampliar o acervo das instituições, contribuir para o aumento de registros históricos de Catanduva e constituir-se como fonte de estudo e pesquisa para as próximas gerações.

Da Reportagem Local




/* ]]> */