Cidades

Catanduvenses Deixam de Consumir 4 Mil MWhs de Energia em Dois Anos

Queda foi puxada principalmente pela indústria em 2016 (Divulgação)

Com o acréscimo na população, no número de imóveis, há uma tendência de aumento no volume de energia elétrica consumida, certo? Errado, pelo menos em Catanduva. O motivo é que por aqui, os consumidores deixaram de consumir 4 mil megawatt-horas (MWh) de energia só nos últimos dois anos. Apesar de expressivo em quantidade, no percentual, o resultado chega a ficar 1% menor. Os dados são da Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade).
Depois de che­­­gar a um con­­­sumo de energia elétrica de 322 mil MWh em 2015, um ano mais tarde e a primeira queda em quatro anos foi vista. Foi para 312 mil MWh, Resultado puxado pela indústria que foi de 84 mil MWh em 2015 para 75 mil no ano seguinte. Além do comércio e serviços que partiu de 78 mil MWh para 76 em 2016. O consumo dos moradores da área rural também impulsionou esse resultado e foi de 4,4 mil MWh para 4,2 mil. As casas também tiveram participação significativa nessa redução, já que foram de 115 mil em 2015 para 113 mil MWh em 2016. Apenas os serviços públicos registraram aumento no período. Foram de 41,7 mil MWh para 41,4 mil MWh. Apesar de ter resultado ligeiramente maior do que o de 2016, o ano passado ainda sentia os reflexos da crise financeira. O consumo no total foi de 318 mil MWh, o que resultou em 6 mil MWh no comparativo entre 2016 e 2017. Nesse caso o resultado foi inverso, registrando queda apenas na iluminação e serviços públicos. Chegou a 41,1 mil MWh no ano passado, sendo que um anos antes era de 41,7 mil MWh.
O consumo de energia elétrica residencial no ano passado teve a participação mais expressiva, com aumento de 4 mil MWh (chegou a 117 mil MWh). Na sequência aparece a indústria, que com sinais de melhora chegou a 78,5 mil MWh no ano passado. Alta de 3 mil MWh. Em terceiro, ficou o setor de serviços e comércio 77 mil MWh (alta de 1 mil MWh no período). A área rural também teve acréscimo chegando a 4,7 mil MWh de energia consumidos.
Apesar desse aumento em 2017, ficou para 2015 o destaque para o consumo. O maior em cinco anos.
Mesmo reflexo no Estado
O Estado de São Paulo registrou por dois anos, queda no consumo de energia elétrica. Mas no ano passado, teve alta de 1,9% no comparativo com 2016, resultado puxado pela indústria que com 2,2% é responsável por uma fatia de 37% do mercado de eletricidade do estado. O consumo residencial teve alta de 2,3% no mesmo período. Já o comercial foi de 1%.
Foi em 2017 que a energia utilizada no Estado chegou a 129 mil gigawatts por hora (GWh). Um ano antes e esse resultado chegava a 127 mil. O setor industrial consumiu só em dezembro cerca de 4 mil GWh, um aumento de 5% no comparativo com o mês anterior. O consumo no Estado já havia caído para 4,9% em 2016 e 6,4% em 2015. Enquanto isso, nas casas, o gasto com energia ficou em 3% em dezembro, com 3 mil GWh . O comércio que representa 22% do consumo de todo território paulista teve alta de 3% o que corresponde a 2 mil GWh consumidos.
“Mesmo com a bandeira tarifária ficando na maior parte do ano nas cores amarela e vermelha, a retomada da atividade econômica e da confiança fizeram com que as pessoas e as empresas voltassem a consumir energia, que é um dos principais termômetros da economia”, comentou o secretário de Energia e Mineração, João Carlos Meirelles.

Cíntia Souza
Da Reportagem Local




/* ]]> */