Cidades

Catanduvenses Correm Atrás De Produtos Essenciais Da Cesta Básica Para Estocar

O Regional

O movimento nos supermercados paulistas cresceu 18% nesta segunda-feira (16), segundo levantamento feito pela Associação Paulista de Supermercados – APAS, em comparação com o dia 17 de fevereiro.
Em Catanduva, o Jornal O Regional foi conferir em redes de supermercados como anda o movimento dos consumidores diante do medo de ficar sem alimento pela pandemia do COVID-19.
Em todos os mercados que a equipe acompanhou até momento não havia falta de alimentos como arroz, feijão, açúcar, óleo e papel higiênico, mas notou que há falta de álcool gel 70% , ovo e banana. Outro setor que estava bem cheio de clientes era dos hortifrutigranjeiros, mas a maioria da ferinha estava bem abastecida. Em entrevista com alguns clientes, eles relataram que estão com medo que acabe e também que o preço se eleve devido a grande procura. Um dos clientes estava levando cinco produtos de cada para estocar, pois se sente muito inseguro diante desta nova doença e da situação que pode levar a economia do Brasil.
Outro cliente lembrou que o álcool em gel 70% já acabou em diversos lugares e o que se encontram pelas farmácias ou mercados estão com preços abusivos.
O presidente da APAS, Ronaldo dos Santos, informou que a associação está mapeando diariamente toda a cadeia produtiva, como indústria e logística de distribuição de produtos e informando os associados supermercadistas e os consumidores, que a cadeia produtiva está operando normalmente, sem falta de produtos. A única exceção, que tem demandado maior procura, é o álcool em gel.
Por isso, segundo Ronaldo dos Santos, não há necessidade de corrida aos supermercados e que os consumidores devem realizar um consumo consciente, pensando sempre na coletividade: “não há necessidade de estocar produtos. Pode haver ruptura pontual nas gôndolas, porém os supermercados têm se esforçado para disponibilizar os produtos o mais rápido possível”, disse.
Por ser uma atividade essencial à sociedade, a APAS está tratando diariamente esse assunto com o governo do Estado. A associação também está recomendando a seus associados para reforçarem a atividade de reposição dos produtos mais procurados.
A APAS informa que os supermercados estão preparados para atender à demanda e estão trabalhando para que os itens não faltem nas prateleiras e se mantenha equilíbrio de preço nos pontos de vendas.

Ariane Pio
Da Reportagem Local

%d blogueiros gostam disto: