Cidades

Catanduva Tem 125 Casos Positivos de Dengue e Outros 130 em Investigação

EMCAa fica responsável pela vistoria nas casas

Subiu para 125, o número de casos positivos de dengue em Catanduva. Outros 130 pacientes são investigados com suspeita da doença. A informação consta no boletim desta semana, divulgado pela Secretaria Municipal de Saúde e Departamento de Vigilância em Saúde.
Até o momento, março tem cinco casos positivos da doença, sendo que fevereiro ficou com a maior parte (82). Janeiro contabiliza 38 diagnósticos positivos para dengue. Nos três primeiros meses do ano passado foram 18 registros positivos da doença. Nos doze meses do ano passado foram 103 pacientes que contraíram dengue na cidade, ou seja, os dados do início de 2019 já superam os de 2018 inteiro.
Mesmo com os casos de dengue aumentando gradativamente, uma dificuldade dos agentes que atuam na Equipe de Combate ao Aedes aegypti (EMCAa) é com relação as casas fechadas. 49,13% dos imóveis que devem ser percorridos por esses profissionais não são vistoriados porque os donos ou não estão.
O relatório mais recente, de fevereiro, mostra que os agentes passaram por 62.228 casas. Sendo que desse total, 30.574 delas estavam fechadas para a vistoria. O maior número de pendências está relacionado as casas em que no momento da visita, o morador não está, seja por trabalho ou por outros motivos.
Na sequência, está a recusa que tem como justificativas – o morador que está ocupado, atrasado ou simplesmente que não permite a vistoria. Por conta desse impedimento, o agente tenta mais duas vezes vistoriar o imóvel. Quando essa situação continua, o caso é encaminhado para a Vigilância Sanitária que oferece apoio.
Todos esses dados foram debatidos na reunião realizada na manhã de ontem (14) na Sala de Situação. A diretora de Vigilância em Saúde, Daniela Bellucci fala sobre os riscos da dengue e essa recusa dos moradores. “A preocupação é que o trabalho prejudicado interfere diretamente na identificação e eliminação de possíveis focos de dengue”, informou.
A Secretaria de Saúde faz um apelo para que a população colabore, abrindo as portas das casas para as equipes. “Precisamos da conscientização. A única forma de acabar com a dengue é eliminando criadouros. O trabalho dos agentes é fundamental e ajuda a combater o surgimento de criadouros do Aedes aegypti”, enfatiza.

Alerta continua
O infectologista Ricardo Santaella, explica que a situação estaria sob controle em Catanduva. “Outras cidades da região, do mesmo porte populacional, vivenciam epidemia. Além disso, há expectativa para diminuição de confirmações, devido à condição climática que tende a ficar, de agora pra frente, mais quente e seco”, reforça. Apesar disso, ele orienta que é preciso seguir em alerta.