Início - Catanduva quer vacina contra dengue, mas eficácia será analisada
Cidades

Catanduva quer vacina contra dengue, mas eficácia será analisada

Informação foi divulgada a reportagem de O Regional pela Secretaria de Saúde da cidade e pela assessoria da Unimed Catanduva
Cíntia Souza
Da reportagem local
Catanduva tem interesse na vacina contra a dengue, mas ainda deve analisar a eficácia do produto. A informação foi divulgada a reportagem de O Regional pela Secretaria de Saúde da cidade e pela assessoria da Unimed Catanduva.  Na última segunda-feira (28) a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou o registro de uma vacina contra a dengue produzida pela Sonofi, que faz parte da Sanofi Pasteur. A informação foi publicada no Diário Oficial da União.
Há quase um ano Catanduva decretava estado de epidemia de dengue. Para se ter uma ideia, foram 35 mortos pela doença e 10.481 casos positivos confirmados até outubro deste ano. A vacina não é válida contra a febre Chikungunya e Zika. 
Segundo informações da Secretaria de Saúde de Catanduva, há interesse em utilizar a vacina. “Porém, segundo o Ministério da Saúde, a decisão de incorporação da vacina no Sistema Único de Saúde (SUS) será estudada com prioridade e levará em conta critérios como a relação custo, efetividade, eficácia e população alvo”, informa o comunicado oficial, o mesmo enviado pelo Ministério da Saúde.
A comercialização ainda depende da definição de preço da vacina, que deve ser analisado pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMDE), órgão que é responsável pela definição de preços de medicamentos. 
“Reforça que, neste momento, somente o combate ao mosquito é eficiente contra multiplicação dos casos de dengue, destacando que a vacina não protege contra o Vírus Chikungunya e Zika” informou o setor.
A Unimed Catanduva aponta que “tomará o cuidado de, primeiramente, contatar profissionais da área médica, preferencialmente da área de infectologia, para que opinem sobre a viabilidade da vacina contra a dengue, a Dengvaxia, que teve aprovação recente da Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa) para comercialização no país”, disse o comunicado da assessoria do hospital.
“Além disso, há informações de que o laboratório responsável pela vacina somente a disponibilizará no mercado dentro de, aproximadamente, três meses. Sendo assim, o prazo permite à operadora ainda mais tempo para análise da eficácia da Dengvaxia”, finaliza o posicionamento.
Nossa reportagem entrou em contato com a assessoria de comunicação do Padre Albino Saúde (PAS). “O PAS não tem autorização para comercializar medicamentos e ainda não possui departamento específico de vacinas”, informou o comunicado oficial.
Foi comprovado
Para pode validar essa, que é a primeira vacina contra a dengue, registrada no Brasil. A Anvisa precisou analisar a comprovação da qualidade, segurança e eficácia do produto, além de certificação de cumprimento das Boas Práticas de Fabricação e as respectivas autorizações sanitárias para o funcionamento da empresa fabricante.
A análise de todos esses dados foi feita com base na relação benefício e risco da vacina. A vacina contra a dengue foi aprovada para a prevenção de dengue causada pelos sorotipos 1, 2, 3 e 4 da doença, além de pessoas na faixa etária dos 9 aos 45 anos que moram em áreas endêmicas. 
“No momento não há dados suficientes para a comprovação da segurança de uso da vacina em indivíduos menores de 9 anos de idade, principalmente na faixa etária de 2 a 5 anos, bem como para os brasileiros maiores que 45 anos. O esquema de vacinação aprovado foi o intervalo de seis meses entre as doses”, informa a Anvisa.
A vacina se mostrou eficaz contra a dengue confirmada contra qualquer sorotipo da dengue em 65,6% da população com mais de nove anos. A eficácia nesse público foi de 
 58,4% contra o tipo 1, 47,1% contra o tipo 2, 73,6% contra o tipo 3 e de 83,2% contra o tipo 4. 
“Se considerarmos a forma da dengue que leva à hospitalização, a eficácia verificada da vacina foi de 80,8%. Ou seja, há uma proteção maior para casos de dengue considerados mais severos, que levam à internação dos pacientes”, finaliza o posicionamento oficial.