Cidades

Aumenta em 79% Número de Picadas de Escorpião nos Últimos Dois Meses

(Divulgação)
Assine O Regional Online

Aumentou em 79% o número de picadas de escorpião em Catanduva nos últimos dois meses. A informação é da Secretaria Municipal de Saúde. Os dados são referentes aos meses de setembro e outubro deste ano, comparados a igual período de 2016.
Foram registradas 34 ocorrências nos meses de setembro e outubro, sendo 17 em cada mês. Enquanto que em 2016, a cidade registrava 19 ocorrências nos dois meses.
Já no comparativo de janeiro a outubro houve um aumento de 40% nos registros de picadas de escorpião no município. Nos últimos 10 meses foram registradas 115 picadas de escorpião e em igual período de 2016, 82 registros tinham sido notificados no setor.
A Secretaria de Saúde orienta que, em caso de acidente, a vítima deve ser levada imediatamente ao serviço de saúde mais próximo para receber o tratamento em tempo. O ideal é lavar o local da picada com água e sabão.
A maior preocupação da população é com as crianças, já que o escorpião da espécie amarela pode matar uma pessoa até 40 quilos.
A reportagem de O Regional mostrou no último mês depoimentos de familiares que encontraram em menos de uma semana dezenas de escorpiões em suas residências. Prova disso, que também tem aumentado o número de reclamações relacionadas ao aparecimento de aracnídeos nas residências, de praticamente todos os bairros do município.
Para orientar a população, a Saúde encaminha nas residências equipes do Centro de Zoonoses e da EMCAa (Equipe Municipal de Combate ao Aedes aegypti).
De acordo com os moradores, as orientações foram esclarecedoras e precisas.
Conforme informações do setor, em 80% dos casos os escorpiões são encontrados na estrutura ou nos objetos de casa como: batente podre, forro de madeira, esgoto, grade fluvial e caixa de gordura, como também em telhas e material de construção mal acondicionado.

É preciso tapar ralos, manter quintais limpos e sem entulhos. Colocar telas nos ralos é essencial e o uso de querosene deve ser evitado.
Segundo relatos dos moradores, as casas são limpas e sem entulhos e a queixa maior era de como era possível tantos escorpiões em um local.
“Eles explicaram bem para nós que a limpeza é fundamental e que os ralos devem sempre estarem com telinhas. E nós estávamos tacando querosene na casa inteira, achando que estávamos limpando e dedetizando a casa, o que a gente não sabia é que a querosene atrai ainda mais o escorpião, pelo cheiro. Além disso roupas sujas, panos de prato sujos, isso tudo atrai”, conta a moradora Ligia Guimarães Cesquini que encontrou 11 escorpiões em sua residência.
Outra dica do setor foi colocar luz negra na casa.
“Porque o escorpião amarelo adora luz florescente e facilita a visão à noite, principalmente no quarto das crianças. Galinha também é outra dica da equipe, mas no nosso caso, não é muito viável. Além de todo o cuidado que a gente já sabe, como por exemplo, olhar tudo antes de vestir ou tocar”, diz Ligia.
Além dos moradores do bairro Higienópolis, munícipes de toda a cidade já apresentaram queixas sobre a quantidade de escorpiões que tem aparecido nas residências com frequência.
“Nós estávamos muito preocupados porque temos crianças em casa e o escorpião amarelo pode matar uma pessoa de até 40 quilos. Os vizinhos também acharam. Todas as casas tem crianças. A questão era que todas essas casas são limpas diariamente, sem entulhos ou matérias de construção e como podia aparecer tantos aracnídeos assim”, questionava Ligia. Após as orientações, os munícipes ficaram mais tranquilos e passaram a seguir as orientações.
No começo deste mês quatro notificações de picadas de escorpiões já tinham sido acionadas a Secretaria de Saúde.
Em caso de identificação do animal em residência, a orientação é para não matar o escorpião, mas colocá-lo dentro de um frasco com tampa furada, contendo algodão ou pano umedecido com água.
O morador deve ainda notificar o Centro de Controle de Zoonoses, localizado na Rodovia Vicente Sanches, KM – 1. O telefone é (17) 3524-2445, e se houver picada, ir imediatamente ao Pronto Socorro mais próximo.

Karla Sibro
Da Reportagem Local