Início - Atividades de Pátio de Serviços São Suspensas Depois de Morte de Servidor Por Covid-19

Atividades de Pátio de Serviços São Suspensas Depois de Morte de Servidor Por Covid-19

Reprodução WhatsApp

As atividades no pátio de serviço da área central de Catanduva foram suspensas depois da morte de um servidor municipal por covid-19. A administração anunciou a paralisação dos trabalhos no local por sete dias, alegando luto oficial.
Ontem pela manhã, os trabalhadores se reuniram com o presidente do Sindicato dos Municipiários de Catanduva, Roberto José de Souza, vereadores e representantes da prefeitura.
De acordo com informações, o Simcat e vereadores cobravam a realização de testes nos funcionários públicos do pátio. Representantes do setor de Recursos Humanos e da saúde foram chamados. O secretário de Saúde Ronaldo Carlos Gonçalves Junior também esteve no local e justificou que testes são realizados em pessoas que tenham sintomas, de acordo com os protocolos.
Em nota, a prefeitura afirmou: “A Prefeitura de Catanduva suspendeu as atividades do Pátio de Serviços, por luto, durante 7 dias, devido ao óbito do servidor municipal Ezequiel Lopes, vítima do coronavírus. Trata-se de homenagem ao trabalhador, que dedicou seus esforços no atendimento da comunidade ao longo de 33 anos. Ele estava afastado de suas funções desde o dia 2 de junho, o que descarta riscos de contaminação de outros funcionários. Eles foram orientados pela Secretaria Municipal de Saúde e aqueles que eventualmente apresentarem qualquer sintoma da Covid-19 serão testados. Nesta semana, será feita a desinfecção completa do Pátio, como medida preventiva”.
A prefeita Marta Maria do Espírito Santo Lopes, em entrevista para o radialista Fernando Galhardo, afirmou que não serão realizados os testes nos servidores assintomáticos. “A reivindicação do pátio é a questão da testagem. Não vamos fazer. Todo dinheiro que vem, seja no federal ou estadual é para ser aplicado na população. Não posso pegar esse dinheiro para testar funcionários públicos. Eu tenho de pegar recursos do município para testar os servidores. E a testagem rápida não é eficaz. Ele vai testar hoje, vai dar negativo e pode ser que amanhã contraia a doença. Todo funcionário público que tenha confirmado (Covid-19), as pessoas da sua família vão estar em observação e farão testes. Este é o controle que fazemos”.
“A testagem rápida é um custo alto para a prefeitura, não pode usar esse recurso federal ou estadual e a vida tem de continuar, não podemos trancar todos os funcionários públicos em casa, que vamos parar a cidade. É a população quem paga esses servidores, é com o dinheiro da população que recebemos. É uma questão de consciência do funcionário público que tem obrigação de trabalhar. Os funcionários acima de 60 anos estão afastados, os com comorbidades estão afastados, todo procedimento de álcool gel, máscaras, EPIs estão sendo direcionados, eles estão muito bem protegidos. Na realidade qualquer pessoa pode ser contaminado, até eu, isso a gente não pode prever”.

Karla Konda
Editora Chefe

%d blogueiros gostam disto: