Início - Apesar de Não ter Casos, Catanduva Permanece em Alerta
Cidades

Apesar de Não ter Casos, Catanduva Permanece em Alerta

Já na cidade vizinha São José do Rio Preto dois casos de microcefalia foram notificados
Karla Sibro
Da reportagem local
Em Catanduva até o momento não foram registrados casos de suspeita ou confirmação de microcefalia. A informação é da Secretaria de Saúde do município. Já na cidade vizinha São José do Rio Preto dois casos foram confirmados nesta semana.
Em nota, a Secretaria de Saúde de São José do Rio Preto informou que na última segunda-feira (28) dois casos de bebês que nasceram com microcefalia foram notificados ao Ministério da Saúde.
“Ambos na Santa Casa de Misericórdia de Rio Preto. Nenhuma das mães referiu sintomas de dengue ou zika durante a gestação. Já foram coletadas amostras de sangue das mães e bebês, que foram enviadas para análise do Instituto Adolfo Lutz”, informa a nota.
A microcefalia é uma doença que faz com que o cérebro dos bebês não se desenvolva de maneira correta.
A microcefalia pode ter relação com a febre Zika. Até o momento, nenhum caso de febre Zika também foi registrado na cidade.
De acordo com o Ministério da Saúde é considerado microcéfalos os que nascem com a cabeça medindo igual ou inferior a 32 centímetros de circunferência.
A Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde de Catanduva informa que a prevenção continua sendo a mesma, “que vem sendo desenvolvida de forma ostensiva e diária. E o mais importante é a conscientização da população, que se não tiver água parada não terá mosquito”, considera o setor. 
O setor aponta ainda que o mosquito causador da dengue, o Aedes Aegypti é o mesmo que causa a Zika e a Chikungunya e que as medidas adotadas contra a dengue valem para as demais doenças. Apesar disso, ressalta que o melhor a se fazer é não deixar o mosquito nascer. 
NO PAÍS
Até o dia 21 de novembro deste ano foram notificados 739 casos suspeitos de microcefalia, identificados em 160 municípios de nove estados brasileiros. O estado de Pernambuco mantém o maior número de casos (487), o primeiro a identificar aumento de microcefalia na região e que conta com o acompanhamento de estoque do Ministério da Saúde, desde 22 de outubro. Na sequência estão os estados de Paraíba (96), Sergipe (54), Rio Grande do Norte (47), Piauí (27), Alagoas (10), Ceará (9), Bahia (8) e Goiás (1).  
PREVENÇÃO
As gestantes devem manter acompanhamento e consultas de pré-natal, com a realização de todos os exames recomendados pelo médico. Além disso, as futuras mães devem adotar medidas que possam reduzir a presença de mosquitos transmissores de doença, com a eliminação de criadouros e proteger-se da exposição de mosquitos, como manter portas e janelas fechadas ou teladas, usar calça e camisa de manga comprida, além de utilizarem repelentes permitidos para gestantes.