Cidades

10 Metros Cúbicos de Madeira São Apreendidos em Caminhão de Frigorífico

Assine

10 metros cúbicos de madeira foram apreendidos em caminhão de frigorífico. O flagra foi feito pela Polícia Ambiental de Catanduva na tarde de ontem (8). Os policiais estranharam quando viram veículo em madeireira.
Conforme informações do 1º Tenente Alonso Wendel Ferreira da Silva, as equipes estavam realizando patrulhamento pelo centro da cidade, quando passaram pela empresa e viram um caminhão baú que estava descarregando madeira. “Os policiais foram até o local e o motorista tinha documento dois metros cúbicos de madeira e lá tinha 10 metros cúbicos”, informa.
O destino do material seria Itapira, mas o produto estava sendo deixado em Catanduva. O veículo saiu de Tartarugalzinho, no Amapá. Na madeireira, foi descarregado menos de um metro cúbico de madeira. O dono do estabelecimento foi autuado por receber o material. Já o motorista do caminhão, que estava sozinho no veículo, foi autuado por transportar madeira de forma irregular.
“Foi elaborada a ocorrência e o veículo também foi apreendido. O documento verdadeiro apontava para dois metros cúbicos, mas na impressão estavam 20 metros cúbicos”, informa Alonso. O motorista não soube informar o motivo da divergência da metragem do material, nem o motivo de ter parado em Catanduva, alegando que era a primeira vez que realizava o trabalho. A multa por esse tipo de irregularidade chega a R$ 3 mil, aproximadamente. A madeira foi doada ao Hospital Psiquiátrico Mahatma Gandhi.

Apreensão de 52 metros
cúbicos de madeira
No final do mês passado, a Polícia Ambiental apreendeu 52 metros cúbicos de madeira. O material foi destinado a duas entidades filantrópicas da região de São José do Rio Preto.
“Com ação firme de fiscalização do policiamento ambiental no combate à exploração ilegal de madeira nativa, a apreensão foi feita por uma equipe durante abordagem de um caminhão tipo rodotrem e, ao verificarem a documentação necessária para o transporte de produtos florestais, perceberam que se tratava de documento falso. Na ocasião, o infrator foi atuado em R$ 15.763,00 e teve a carga e o caminhão apreendidos”, informou a Polícia Ambiental.
Além disso, ele responderá pelo crime ambiental que prevê pena de detenção de seis meses a um ano e multa, além do crime de falsificação de documento público, que prevê pena de reclusão, de dois a seis anos, e multa.

Cíntia Souza
Da Reportagem Local