Shania Twain: Not just a girl

 

Shania Twain: Not just a girl  

A Netflix lança mais um documentário sobre um importante nome do mundo da música, dessa vez Shania Twain (1965-), cantora e compositora canadense e estrela do country e do pop nos anos 90 e 2000.

O filme segue um estilo padrãozão de documentário, com depoimentos dela e de convidados e muitas cenas de bastidores, shows e clipes antigos, que reconta a trajetória de uma jovem de 27 anos, destemida, que saiu de Ontário, no Canadá, para Nashville, terra do country music dominada por cantores homens, onde se jogou de corpo e alma para quebrar tal paradigma e levar suas composições ao público.

Tornou-se uma das mais bem sucedidas cantoras, viu a carreira explodir em 1993, atingindo a fama pouco depois com dois discos, 'The Woman in me' (1995) e 'Come on over' (1997) – esse último, o álbum mais vendido de uma cantora em todos os tempos. Shania foi indicada a 19 prêmios Grammy e ganhou cinco vezes, outro marco. 

Para lembrar tudo isso, Shania abre sua casa, e numa conversa informal com o diretor e os cinegrafistas, fala da paixão pela música, das amizades nessa trajetória, os altos e baixos, e fala também de sua vida atual. 

Avril Lavigne e Lionel Ritchie são alguns que dão depoimentos pontuais, há muito material de arquivo, como gravações antigas e cenas de clipes (dentre eles três de seus maiores sucessos, 'You’re still the one', 'From this moment on' e 'Man!'). Shania ainda comenta, sempre risonha e de alto astral, como compôs suas canções e como ela foi recebida pelas pessoas. 

Na minha juventude, escutei Shania e nunca mais tinha ouvido falar dela, e esse documentário me trouxe boas lembranças. Vale ver! 

O diretor é Joss Crowley, produtor de documentários para a TV sobre músicos e bandas notórios, como Slash, The Who e Deep Purple. O título do filme é em homenagem ao último álbum dela, lançado esse ano, que dá nome à faixa principal, 'Not just a girl (The highlights)'. 

 

Shania Twain: Not just a girl (Idem). Reino Unido, 2022, 88 minutos. Documentário. Colorido/Preto-e-branco. Dirigido por Joss Crowley. Distribuição: Netflix.

Autor

Felipe Brida
Jornalista e Crítico de cinema. Professor de Comunicação e Artes no Imes, Fatec e Senac Catanduva.